quarta-feira, 18 de março de 2009

Comentário crítico sobre o filme: O Terminal

O filme O Terminal retrata a situação vivida por Viktor Navorski, um cidadão da Europa Ocidental,que viaja para Nova York.Enquanto viajava seu país, a Krakozhia, sofre um golpe de Estado, o que leva seu passaporte a ser invalidado. Assim, ao chegar ao aeroporto, Viktor não consegue autorização para entrar nos Estados Unidos, nem poderia retornar a seu país, pois as fronteiras foram fechadas após o golpe. No aeroporto dos Estados Unidos, ele é retido pelo Departamento de Segurança onde há uma tentativa de comunicação com o Sr. Frank Dixon, diretor do aeroporto. Tentativa frustrada, pois Viktor não dominava o código lingüístico, ou seja, o idioma inglês, demora a entender que seu país sofreu um golpe político, que não mais existia, inclusive sua moeda não tinha mais valor. O que leva o diretor a dar a ele vale-refeição que acabam no lixo. A comunicação era falha não havia interação nem mesmo quando o Dixon usa o símbolo da maçã.
O Terminal retrata a dificuldade ocorrida no processo de comunicação quando o emissor e receptor não partilham do mesmo código lingüístico. O filme apresenta exemplos de linguagem verbal e não-verbal, como gestos, cores, desenhos, mímicas, sinais luminosos e sonoros. Victor Navorski tinha em poder um guia para viagem, que o limitava a dizer frases prontas como: pedir táxi, relatar o endereço do hotel onde ficaria hospedado, o roteiro turístico a fazer, que podiam ficar com o troco, entre outras, não estando preparado para lidar com outras situações. Já o diretor, que deseja só se livrar do problema passá-lo a diante, para não dificultar o andamento da rotina do aeroporto, e assim atingir a sua tão sonhada promoção. Este tenta usar de mímicas, gestos, representações, mas ao mesmo tempo em que atende o estrangeiro, também se alimenta.
O Sr. Viktor é obrigado a viver no aeroporto por meses, até que encontrem uma solução para seu problema, ou seja, o visto para entrar nos Estados Unidos. Enquanto aguarda, lhe fornecem vale-refeição, cartão-telefônico, um crachá e um bip pelo qual seria chamado a presença do diretor. Ele se vê isolado do mundo, pois em meio de milhares de pessoas, não consegue interagir com ninguém. Só percebe o que aconteceu com seu país, quando ouve o hino da Krakozhia, pela televisão, mas não consegue ler a legenda, assim, adquire dois livros iguais em línguas diferentes e por processo de comparação apropria-se de várias palavras, conseguindo entender como também ser melhor entendido.
Outro fato importante aconteceu quando Viktor foi estimulado pelo diretor a sair do aeroporto, e ele notou pela sonorização da câmara que estava sendo observado, assim o barulho sonoro o impede de sair. O aeroporto é extremamente bem sinalizado, possui símbolos e nomes dos itens como telefone, escadas rolantes, banheiros. Mas mesmo assim por falta de atenção Viktor entrou em banheiro feminino. Muito comumente, observa-se que utilizavam cores para possibilitar o processo de comunicação, sendo que, cada formulário usado tinha uma cor, conforme o objetivo da solicitação, os selos além da impressão autorizado e não autorizado, tinham a representação nas cores verde e vermelho, as faixas no chão usavam as cores amarelo, azul e verde, cada cor com sua respectiva finalidade. Viktor demonstra muita humanidade com os conhecidos do aeroporto fazendo-se respeitar e sendo amado por eles.
Há uma cena na qual um passageiro é retido com medicamentos, esse perde o controle e ameaça vários funcionários do aeroporto. Nesse momento Viktor é chamando a intermediar o conflito, pois só ele dominava o código utilizado pelo passageiro, e ele obtém sucesso na tradução e na solução do conflito. O filme chama atenção para a dificuldade das pessoas em prestar atenção às sinalizações; como numa cena onde continha uma boa sinalização mostrando o perigo para o risco de andar no piso molhado, entretanto alguém desatento sempre caía, pois o aviso era ignorado. Com o fim da guerra na Krakozhia Viktor Navorski conseguiu sair do terminal e alcançar seu objetivo: ter um autógrafo de um renomado músico de Jazz para cumprir uma promessa feita a seu pai.

11 comentários:

  1. massa
    muito bom para as pessoas
    prestar atenção nas coisas..
    mito bom

    ResponderExcluir
  2. Gostei da sinopse do filme e pode servir de material pra o pessoal que queira falar sobre diferentes formas de comunicação. Show de filme...
    Valeu pessoal!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Este filme mostra o quanto podemos ser persistentes para vencer as dificuldades e as barreiras.[ótimo filme]recomendo!

    ResponderExcluir
  4. iaii .. taaaaaaaaaa massaa esse blog em..
    saudade de vcs galeraa..
    vlww

    ResponderExcluir
  5. Como sempre Steven Spelberg Brilhou na direção desse filme, assim como Tom Hanks em sua atuação.

    Recomendadíssimo. lindo.

    ResponderExcluir
  6. o que tinha na lata que ele levava?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NÃO ASSISTIU O FILME TODO NÃO????

      Excluir
  7. Passou hoje na Sessão da Tarde. O filme é ótimo, um dos melhores filmes que já vi.

    ResponderExcluir
  8. gostei munto do flme

    ResponderExcluir
  9. umt bom esse filme.. além de tudo isso, fala tmb de poder político e estado, devido o fato do mesmo ter ido aos Estados Unidos e ao chegar no aeroporto n poder voltar para seu país de origem e nem ir para os E.U.A pq seu país "acabou"..

    ResponderExcluir